Podcasts

Podcast – Writing the BEST Fellowship Application

Hosted by Dr Setfania Forner

Reading Time: 60 minutes

In this video podcast, Dr Stefania Forner, Director of Medical & Scientific Relations at Alzheimer’s Association guest hosts a discussion with current and past awardees of the Association’s Fellowships and international grant programs. They recap on the take-aways from a recent grant writing master glass and explore how grants are evaluated, what makes a successful application.

Meet our guests:

Dr DeAnnah R. Byrd, Assistant Professor at Arizona State University. Studying the effects of chronic conditions & stressors in older Blacks and reducing dementia among minority populations.

Dr Joe Abisambra, Associate Professor of Neuroscience and Associate Dean of Diversity and Health Equity at University of Florida. Focussing on tau biology in the context of Alzheimer’s and traumatic brain injury.

Dr Eduardo R. Zimmer, Assistant Professor at Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Researching Glial Cells, neuroimaging and neurodegeneration at Universidade Federal do Rio Grande do Sul. The next Alzheimer’s Association International funding round will open later this summer, keep an eye on the Dementia Researcher and Alzheimer’s Association websites:

https://www.alz.org/research/for_researchers/grants/types-of-grants


Click here to read a full transcript of this podcast in English

Voice Over:

Welcome to the NIHR Dementia Researcher Podcast. Brought to you by dementiaresearcher.nihr.ac.uk. In association with Alzheimer’s research UK and Alzheimer’s Society supporting early career dementia researchers across the world.

Dr Stefania Forner:

Hello everyone. And thank you for listening to the Dementia Researcher Podcast, where we discuss careers, science, and research. I’m Dr. Stefania Forner, and I’m delighted to be the guest hosting this week’s job. I work at Alzheimer’s Association as director of medical and scientific relations. And my main role is overseeing and managing the day-to-day function of the international research grants program and the strategic grants funding program.

Dr Stefania Forner:

Today, me and my amazing panel of guests are going to share some of the top tips and advice on how to be a successful applicant for the fellowship for Alzheimer’s Association or even a research grants for the Alzheimer’s Association.

Dr Stefania Forner:

As the largest nonprofit funder of Alzheimer’s research, the Alzheimer’s Association is committed to accelerating the global progress of new treatments, prevention and ultimately a cure. There’s nothing we like more than funding great people and research. And it makes the reviewers job and my job a lot easier when we get great applications. So, this show is all about making my life easier and getting you the funding, you need.

Dr Stefania Forner:

So, let’s start going around and introducing our guests we have today. The unstoppable Dr. DeAnnah Byrd, Assistant Professor at Edson College of Nursing and Health Innovation in Arizona, United States. Next, we have the legendary Dr. Eduardo Zimmer, Assistant Professor in Universidade Federal do Rio Grande do Sul in Brazil. And finally, I’m delighted to welcome the incredible Dr. Joe Abisambra, Associate Professor at the University of Florida, College of Medicine.

Dr Stefania Forner:

So, hello everyone. Thanks for talking to me and joining us today. So, I would like DeAnnah, just if you want to introduce yourself a little bit and talk about yourself a little bit and then we’ll go to Eduardo and Joe.

Dr DeAnnah Byrd:

Hello, everyone. Nice to be on podcasts today, and really just share some insights with you as you’re thinking about applying to the Alzheimer’s Association, which is an amazing funding opportunity. So definitely do it.

Dr DeAnnah Byrd:

I study everything that has to do with cognitive and mental health outcomes in Black Americans. In particular, I study three areas. I study chronic stressors. I also study biological stressors and coping factors as well as chronic health conditions and how these things work together or against developing cognitive decline or Alzheimer’s and dementia later life in Black Americans.

Dr Stefania Forner:

Eduardo. Do you want to…

Dr Eduardo Zimmer:

Hi, Stefania. Thank you very much for having me here. It’s a great pleasure. So, I’m Eduardo. I’m assistant professor in Brazil. So just to start, I would like to remind you that Alzheimer’s Association funds research in Brazil, funds research and international research everywhere around the globe. And I have a big lab here. We have around 30 students. And the lab is interested in understanding neurodegeneration astrocytes and biomarkers in the context of Alzheimer’s disease. And I’m look looking forward to discussing with you today.

Dr Stefania Forner:

Sounds impressive. Joe, the last but not least.

Dr Joe Abisambra:

Not as incredible as you may think. My name is Joe Abisambra. As Stefania mentioned, I’m an associate professor at the University of Florida. And I also play a role in the Dean’s office as Assistant Dean of Diversity and Health Equity. And on the research side, my main job and passion is to essentially understand how the brain works.

Dr Joe Abisambra:

And I’m focusing on… One way to learn about how the brain works is study diseases in which the brain doesn’t function as well as it should. And so, I’ve been focusing most of my work on a protein called Tau. And that’s given me an amazing opportunity to study more than 20 neurodegenerative diseases that share features with Alzheimer’s disease. And one of the ones that we also look at besides Alzheimer’s is the long-term consequences of repetitive head injuries, also known as Chronic Traumatic Eencephalopathy or CTE.

Dr Stefania Forner:

Sounds good. Thank you all. And I want to point it out that all of these great panelists, they actually participated on the masterclass online seminar series that we had for ISTAART on the Alzheimer’s Association, where they share their tips and success. So today we are going to go and do a take home message, a summary of that webinar series. On that note as well, if you’re not part of ISTAART yet, I would encourage you to consider being part of it and visit alz.org/istaart.

Dr Stefania Forner:

So, thank you all for participating today. We try to make this topic of grants writing, fellowship writing a little bit easier and break down into stages. We’re going to break down two stages of the Alzheimer’s Association Research Fellowship. But all of you, well, Joe, Eduardo and DeAnnah are also reviewers. So, they will also give their perspective as reviewers, as mentors of the applicants.

Dr Stefania Forner:

So, let’s start with you DeAnnah, when you’re putting out a letter of intent, or thinking about your own research or a student of yours, putting something in the future, thinking about planning to submit something, what is your process? Do you plan ahead? How is your train of thought?

Dr DeAnnah Byrd:

Yeah. That’s a great question. So, for myself and for my students, I definitely plan ahead. So, I think it definitely takes time to allow your ideas to incubate and you don’t want to be rushed at the last minute. So, being very thoughtful around the timeline when things are due because without the letter of intent, the application cannot move forward.

Dr DeAnnah Byrd:

So, it’s really important that, although the letter of intent is not a lengthy document, it’s worthy for you to spend your time to, one, plan ahead. That you can maybe have multiple iterations of it. It’s also a great strategy to share that material with, say some other senior colleagues or faculty or anyone else that your mentors, that you have, that you’re thinking about working with on the proposal. It would be great to get their feedback at that stage.

Dr DeAnnah Byrd:

So really the planning ahead is important. Even when it comes to the letter of intent, which is maybe a shorter document compared to the overall application.

Dr Stefania Forner:

Eduardo, what’s your train of thought? Do you do anything different? How does it work? We are in different… You are in a different country. So, do you have maybe more bureaucracy on your end to put a letter of intent or no?

Dr Eduardo Zimmer:

Yeah. I agree with everything. Plan ahead is critical. And for Brazilians like me, we have a lot of bureaucracy in the university here. So, if you do not plan ahead, you will not be able to send me your letter of intent.

Dr Eduardo Zimmer:

The other thing that I strongly agree is the idea of sharing the letter of intent with your colleagues, with your senior mentors, with your students. So, it’s better to receive critiques from people that you know, than to receive critiques from people that you don’t know. That would be the reviewers, right? So, it’s better to share always before submitting.

Dr Eduardo Zimmer:

The other thing that I think it’s super important. So, you have one page to deliver your novelty, to deliver your idea, your objectives. So, you need to be very clear. So, the flow needs to be… It needs to understand what the proposal will be based on the letter of intent. So, it’s only one page and usually takes a lot of time to have a good one page with a good flow, with the objectives, with the aims very clear. So, this is my advice.

Dr Stefania Forner:

What about you Joe?

Dr Joe Abisambra:

Well, my process is like many of us ongoing constantly. And so, since the early stages of my career, I always tried to have two projects, two big ideas. And somehow, they converged in the main field that I was interested in and passionate about.

Dr Joe Abisambra:

And so, I tried over time to package it. And the beauty of it is that it’s not starting today. It’s that it’s always running in the back of my head, and I think about it. And when I’m walking my dog, I think about it. And when all of a sudden, at one point I was mowing the lawn, I was thinking. And you never know when that idea is going to hit.

Dr Joe Abisambra:

And so, packaging that for each one of the applications for each one of the grant agencies and so on, allowed me to format these ideas in a concise, brief way that could translate a vision and a strategy. And that’s exactly what the letter of intent can help delineate. I found the letter of intent to be very helpful actually. Because it made me be very concise and organized in a tangible way, how I was going to plan those ideas.

Dr Stefania Forner:

So, I do want to have a question. I’ll start with you DeAnnah, and then go around as well. But when you’re planning for a lot of intent, do you already have the whole full application if you’re invited for a full application set in your hand? Or do you do the letter of intent as a quoting, like a pilot study? Like, I’m just going to put this in a paper. And if I get called for a full application, I’m going to think about my aims more throughout, clearer. Or do you already have the vision from the beginning to end when you put the letter of intent?

Dr DeAnnah Byrd:

That’s a great question. I would like to say that I have the vision from the beginning to the end. But the best made plans are meant to be changed as they say. So, I would say in a perfect world, my suggestion would be, yes, if you could have this letter of intent and then your aims already drafted of what you’re thinking about for the full proposal or the full application, if you’re invited to do so. That’s just wonderful, right?

Dr DeAnnah Byrd:

I mean, it really streamlines the process because, one, when you go in to then work on the full application, it’s easier, right? Let’s just logistically, it’s more… It’s easier to approach it when you already have some formative ideas around what you’re going to do, how you’re going to approach it, you have the data, right? So, a lot of those details are already worked out in your mind and that therefore makes the application components themselves potentially easier.

Dr DeAnnah Byrd:

In reality though, I think that we don’t always work that way. So don’t fret. If you don’t have it, I still would strongly suggest that you apply with putting in your letter of intent. And maybe after the letter of intent goes in, begin to think about, if this is invited for a full application, what would I, how would I develop this further?

Dr DeAnnah Byrd:

So, really being critical about, okay, what data set am I going to use? What’s going to be my measures, who would I want to be as my mentors? Or who would I even want to write me letters of support, right? So even beginning to pull together some of the pieces post the letter of intent, will be helpful for you.

Dr DeAnnah Byrd:

The final thing I think that I will say that’s really, really helpful for me was that it’s like they say this idea, it’s great to pitch your idea to different funding agencies. So, another thing to think about is, if you don’t have a complete vision for this, but you’re seeing how the Alzheimer’s work can really fit along with this funding, so maybe you have another idea that you’ve already got aims and things like that. It may be that you could just tweak something that you have by changing your focus slightly, right?

Dr DeAnnah Byrd:

So, we all have typically different projects that we’re working on at any given time. So don’t necessarily think that you have to come up with something completely from scratch. It may be that for example, you had a proposal that you put out on say physical health, and now you’re like, wow, I never thought about it. Maybe I can just incorporate some Alzheimer’s measures in this, or I can some cognitive measures. And I can maybe use the same population, right?

Dr DeAnnah Byrd:

So, allows you to stay in the same vein as your research interest and not deviate too much, and also help you to have this well put together application once you’re invited.

Dr Stefania Forner:

Yeah. I think that’s great. Especially for early career researchers. Sometimes you can use different… Obviously, from the Alzheimer’s Association’s perspective, I want to let the viewers, the listeners know that actually, we won’t fund overlapping studies. So, if you are doing the same study elsewhere, being funded elsewhere, we won’t fund it. But I do agree with DeAnnah on using that dataset. You can use the dataset and create a different study or a different idea.

Dr Stefania Forner:

And also, a reminder to all the listeners, if you are planning to apply for the Alzheimer’s Association, we don’t require preliminary data. It is not a requirement. Obviously, if you have and it makes the hypothesis stronger and you can prove your hypothesis, it’s highly recommended that you present preliminary data on your applications for a full application. But it is not recommended. So, if it is something more pilot, go for it.

Dr Stefania Forner:

Eduardo, do you have anything… Do you plan like… Obviously I agree with DeAnnah? We all wish the perfect world that we had the idea from the beginning to end all set up in the brain, but it doesn’t happen always like that. So, what’s your process?

Dr Eduardo Zimmer:

Yeah. I think that DeAnnah and you covered almost everything here. So, but if you have the vision, so the aims, of course you can expand later. So, you have the letter of intent, and when you start to write the full project to include, if you have preliminary data, sometimes you see that, oh my God, I can include a new experiment here. I can add this database.

Dr Eduardo Zimmer:

So, I think this is something that happens a lot. You write the letter of intent. You have one idea. When you start to write the full project, you realize that there are a few experiments that you should include. There are [inaudible 00:15:49] that you also need include.

Dr Eduardo Zimmer:

So, I don’t think this is a problem. But if you have your main vision, the primary outcome, the outcome, something that you are really interested into, I think that you can expand in the full submission. But I think that the main question of the letter of intent, should be the question that you are answering in the full project.

Dr Stefania Forner:

Great. Joe, so when you’re mowing your lawn on the Saturday morning thinking about the project, do you think that the whole thing, do you do it as Eduardo mentioned, when you’re writing the full application then, you’re like, you have that great idea and-

Dr Joe Abisambra:

No. So I have a block. I have two blocks, right? And I just start sculpting away, sculpting away, and coming up with something. Now the ideas come up during mowing the lawn or changing my baby’s diaper or whatever. But whatever’s happening there, it’s just whatever clicks. The idea is there. And with that, we can build out to the actual proposal. But of course, you’re sculpting right? And to build up on something that you said, wouldn’t it be amazing to have so many grants funded that you say, I have to turn these one or two down because they overlap.

Dr Joe Abisambra:

So, here’s the big advantage of that, of submitting to different funding agencies. And it’s that you will always get feedback. And the feedback that you get anonymously can help you sculpt your own grant. And it certainly helped me in refining my ideas and further feeding them into a package that could be funded, whether it was for the National Institutes of Health, the Alzheimer’s Association, and other funding agencies.

Dr Joe Abisambra:

And the scope is also important. For example, the early investigator grants from the Alzheimer’s Association are similar in scope to maybe a little bit around the range of an R21 for a year or two, which is one of the investigator-initiated grants from the National Institutes of Health.

Dr Joe Abisambra:

And so, what I’ve done is taken a similar grant that I submitted to the Alzheimer’s Association also to the National Institutes of Health. And it has happened yet, but if I got both, then I could turn one of them down. But what’s important is that I always get the feedback. And it’s a work in progress. I never have the idea all at once. It’s a work in progress.

Dr Stefania Forner:

Yeah. That’s great advice. So, I think for summary of this first conversation that we’re having, its plan, right? Think about it. Share with your collaborators and us mentors. Because we’re talking also as you as applicants. But as mentors, so for the Alzheimer’s Association Research Fellowship, you have the mentorship component. You also have the applicant component.

Dr Stefania Forner:

And then you… So, you have the mentorship, then portion that the mentor will see what the training plan is, how it’s going to support the applicant. You have the applicant write the statement of commitment of how that’s going to advance its own career professional development, how it’s going to match with the mentor training plan.

Dr Stefania Forner:

So, when you were applying DeAnnah, you were a fellow, how did you work with your mentor? But also, if you are reviewing an application for the Alzheimer’s Association, how do you evaluate between the mentor and the applicant commitment? How do you do that?

Dr DeAnnah Byrd:

So, I guess to answer your first question, as the applicant, I definitely worked with my mentors. I found that, it’s not only strengthened my application, but it also improved what we had designed in terms of what we’re proposing we’re going to be doing. So, the mentoring plan that I’m going to be putting forth in my application.

Dr DeAnnah Byrd:

And then I would say, one of the ways if I was reviewing that I would do that is, I would look at, one, the letters, to make sure that the letters from the mentors are really in support of the applicant. That the applicant has the potential to not only do the work, but has the potential to really be a leader in the field of Alzheimer’s research, right? I mean, that’s really the emphasis. So, can I see their potential and their future potential? This is really important.

Dr DeAnnah Byrd:

The second thing I would say is, and looking at the mentoring plan, how is it that the applicant is going to be using their mentor in terms of their development and their career development? And then also, how is that researcher going to be developing independently?

Dr DeAnnah Byrd:

So, not only is the mentor going to be introducing the applicant to say, their networks and to collaborative opportunities, but then beyond that, what is the applicant saying that they’re going to do to further develop their own professional networks and develop really their own career trajectory. So that’s some of the things that I would look for as a reviewer.

Dr Stefania Forner:

Fantastic. Eduardo, anything to add as a-

Dr Eduardo Zimmer:

Yes. So, I was thinking here, so one of the most important things in my opinion is, do not be generic. We need to see you. I think that each student is unique, has a unique pathway. So, if the reviewer can really see you, I think you have more chances. So, this mentorship and the mentoring and student, the way that they will develop the project needs to be unique. So, the way that the letters are reading needs to be unique.

Dr Eduardo Zimmer:

So, if you put a lot of generic stuff, the things that you can read in any blogs and stuff like that, I think you have less priority for funding. But if you are unique, if you can see that this is a unique applicant, it has much more chances, I think.

Dr Stefania Forner:

Great. What about you, Joe? You are also a reviewer, just like all in the call. What do you look as, when you’re looking at a mentor statement or applicant, what are you looking at as a reviewer for the full application?

Dr Joe Abisambra:

Well, to follow up on what both DeAnnah and Eduardo said, I want to see that the mentor statement and the applicant statement actually makes sense. And you can tell that each other are working together. The last thing I’d like to see or be enthusiastic about is a mentor who’s writing one thing and the applicant is completely disjointed. That clearly tells me this is not a good partnership. And the project is likely to fail.

Dr Joe Abisambra:

You’re working together. This is again going back to team science and collaboration, especially from a mentor’s perspective. And now following up on Eduardo, what I want to see about the applicant is, and I said this before a little bit more dramatically, you want that personal statement to scream about your personality. I’m looking at 10 of these grants if not more, or letters of intent, and they’re all going to read the same generic phrases. I’m passionate about…

Dr Joe Abisambra:

Well, we’re all passionate about Alzheimer’s disease. Come on. What makes you stand out? Why should you get this funding and advance the field of Alzheimer’s disease research? How are we going to impact the patient? How are we going to better learn about the brain? That’s what I love to see. And that I think as reviewers makes us really excited about the grant and say, I want to get to the next page. I can’t wait.

Dr Stefania Forner:

Yeah. I think that’s great. I think what the three of you just pointed out, it’s fantastic. From the Alzheimer’s Association perspective, that’s what we want. And from what I said in the beginning, if you follow this, you’re making the reviewer’s life easier. Because I do want to [inaudible 00:24:05] what Joe said.

Dr Stefania Forner:

The Alzheimer’s Association is going to send maybe to a reviewer, 10 letters of intent to review, maybe 15. And what is out there? What stands out on your letter of intent or a full application when you’re invited for a full application? [inaudible 00:24:26].

Dr Stefania Forner:

The reviewer’s not only going to have one full application for review, but it’s also going to have five, maybe 10. And what stands out? What’s going to be like, I’m looking at this application and I love this. Everything matches. Everything’s good. And then moving to the work plan because this is like, it’s a mosaic, right? You’re putting pieces together. So, you have the mentorship component, you have the applicant component, the letter of [inaudible 00:24:55] support.

Dr Stefania Forner:

But then you also have the science. You got to plan the work plan, your hypothesis, your specific aims. So obviously we touch bases a little bit a few minutes ago, but this is you writing more. You have more pages to explore this. So, do you write it? And do you share it with your mentor or your collaborators as you are writing? Or once it’s done, you have the first draft?

Dr Stefania Forner:

And I’ll start with DeAnnah. Did you write your full application and then shared the whole thing with your mentor or your colleagues? Or did you write a little bit, shared, got a little bit of feedback, went back and forth? How was your, well, process there?

Dr DeAnnah Byrd:

Yeah. I would definitely see the process as iterative. So, just keep that in mind. As my mentor said to me a long time ago, good writing is rewriting. So, stay calm and write. So, I found that this is a helpful and an efficient way. So, I would actually write, say maybe the mentoring plan. And then I would send that off to my mentoring team. And while they were reviewing that and giving me feedback, then I would start developing my research approach and strategy.

Dr DeAnnah Byrd:

So, it was a way to keep my mind constantly working on the whole application, but really in pieces. And I found that was very effective. Say, they’re all very busy. So, they needed say a week or maybe even two, right? To review a document and get it back to me, maybe not. But that would give me then, say a week or two to then develop the next piece. So, by the time I got their feedback, I could then give them the next document.

Dr DeAnnah Byrd:

So, if you can set it up again, that’s why going back to the very first question of planning ahead and giving yourself time, you want to be able to build in time for your mentors to actually give you meaningful feedback. And no one likes to get something and saying, “Hey, can you get this back to me in two days?” That’s a difference than when they say, “Oh, I have two weeks or a whole week to give you some feedback. And then they’re able to take their time and give you feedback that’s potentially going to strengthen the application and get you funded.

Dr Stefania Forner:

Yeah. That’s great. Eduardo, anything to add.

Dr Eduardo Zimmer:

Yes. Usually what I do when I have the first draft of a document, I share with one of my colleagues. This is usually what I do. And you need to find these people. So, I have four or five colleagues that they are always available for reviewing my grants and my letters of intent. So, you need to find this group, the supporting group.

Dr Eduardo Zimmer:

And I usually first write the first draft of the document, then I share with this group of supporters. Of course, my students, they always revise the grants as well. They always revise the letter of intents. But I have a group of senior mentors and colleagues that they are always available to revise my grants and my applications.

Dr Eduardo Zimmer:

So, you need to find this people. This supporting group. And usually share when you have the first… In my opinion, it’s better to have the first draft. Not to share one or two paragraphs. So, doesn’t make sense in my opinion. You need to have at least a few documents. Then they can revise and give you feedback.

Dr Stefania Forner:

That’s good. What about you, Joe?

Dr Joe Abisambra:

Yeah. I agree with what both Eduardo and DeAnnah have mentioned. Make sure it’s written, maybe rewritten a little bit, because I love what DeAnnah said, good writing is rewriting. And make sure that… Because it’s respectful. You want to be respectful to the folks who are helping you. And so, that’s… I completely agree with what you said. Given enough time and write something that’s compelling and coherent. And then you’re going to get feedback. Things that I haven’t seen. And now I can adjust for that.

Dr Eduardo Zimmer:

Yeah. Rewrite several times before sharing. Do not share your first draft. Rewrite several times. This is the best advice that one can give. People wants to receive something sharp to revise. Super important Joe. I think this is super, super important. The best advice ever when you are sharing a document.

Dr Stefania Forner:

I think rewrite. And I think I like what DeAnnah said as well. So, keep calm and write. So then… That could be a mug for her to distribute around on the field. Keep calm. Or maybe a t-shirt. But it is a… I think from the Alzheimer’s Association perspective, this is what we want. We want people to think ahead, plan ahead. We have cycles opening and reopening throughout the year. And the network, it’s something important. Like Eduardo said, have those mentors. Have those people that you can share your application?

Dr Stefania Forner:

The Alzheimer’s Association like I mentioned, you have ISTAART, maybe will have a network there. You have network within your university or friends and family. I actually… From the webinar series that we had about the guide to the grants, someone actually mentioned that, shares their application to, I think was his spouse or someone in the family, that’s not a medical field or, but if they could understand it, the message not through the science but the message that was being dropped, they were like, okay, I’m writing concisely. I’m writing, it’s understandable.

Dr Stefania Forner:

So those are all tips that I think it’s useful for you listening that when you put an application in. I think that’s what we are working for.

Dr Stefania Forner:

And then the last stage, but not the most, obviously I think the most important of all, it’s the budget you need. So, you put the science on the paper, how much do you need? How do you supply, maybe salary, maybe a collaborator, maybe an equipment or a core? How do you put the budget together? How do you think about this within the funding that you have available for the specific project that you were applying?

Dr Stefania Forner:

So DeAnnah, did you work with your mentor? Did you work with the institution department? And then you also have to put the budget justification. So, it’s not only putting numbers on a spreadsheet, but also explaining why you need that. So how did you work with that?

Dr DeAnnah Byrd:

Yeah. So, I definitely worked more with my department. We have a person who helps with grants. And so, I put together an Excel spreadsheet of the categories that I was thinking about. So, for travel for example, for salary. So, I really just thought about, and think about using those dollars and of course over the length of the award.

Dr DeAnnah Byrd:

So, in my case, my award is for three years. So, looking at for example, what conferences, especially the Alzheimer’s conference, the annual conference that’s every year. So, making sure I allotted that for travel to attend that. And then of course thinking about my salary support and any other research dollars that I needed to really support the work.

Dr DeAnnah Byrd:

And then I also, when I wrote up the budget justification, though I will say one caveat. So, I worked closely with my department when I was actually putting together the Excel spreadsheet. Just what am I thinking about for the three years that I’m going to have this grant. But then when it came to my budget justification, I definitely worked with my mentors.

Dr DeAnnah Byrd:

So, I really want that to be clear because the grant person, although they’re really familiar with putting together these budgets, they’ve done them before for other grants, it’s really important that I think that your mentor just read over the budget justification. Just so you have another set of eyes to make sure that it’s clear what you’re going to be using the money for, and that you’re justifying it appropriately.

Dr Stefania Forner:

Great. Thank you DeAnnah. What about you Eduardo? I know DeAnnah is located in the United States just like as Joe, but you are located in a different country and maybe some of the listeners are also in other countries, and you’re in Brazil. Is it different? What do you do differently?

Dr Eduardo Zimmer:

Yeah. There’s… It’s a little bit different. But I think that the most important thing is, the budget needs to make sense. Needs to match with the experiments that you are proposing. This is the first thing. If you are proposing something, the budget needs to match. This is I think my tip number one.

Dr Eduardo Zimmer:

In Brazil of course, for example, if want to pay a salary for a postdoc, for a PhD student is much cheaper. So, we can have multiple postdocs in the same application because our currency here, the real, it’s much less than the U.S. dollars. So, this is something that is different.

Dr Eduardo Zimmer:

But let me tell you a history that what happened with me. My first application for Alzheimer’s Association. I was checking my applications a few days ago. And I reread the comments from the reviewers from my first application that was not funded by the Alzheimer’s Association. And I received a lot of good reviews, good revisions. Like reviewer number one was very happy with the proposal. So, the question was good. Everything was good.

Dr Eduardo Zimmer:

And one of the reviewers, he gave me a poor rate for my budget. And then I realized that at the time I have a deal with an institution here to pay only 10% for a positron emission tomography imaging scan. So, it was a very small amount, and I didn’t justify.

Dr Eduardo Zimmer:

So, he wrote back. Okay, this is unrealistic. It’s too cheap for a PET scan. And I realize I should have expanded the explanation to show him that I have this deal. In fact, is one of the advantages of my proposal. I would be able to run multiple PET scans with a very small amount of money. It became one of the weaknesses of my proposal and I didn’t get the grant.

Dr Eduardo Zimmer:

So, what I think it’s important to match, and if you have something that is different, something that is good for you, you need to expand and explain why you are paying so little for something or why you are, for example, in my last application, I have two or three post-doctoral scholarships that I will be able to pay because the salary in Brazil is much lower than the salary in the U.S. This is an advantage that you need to make clear in the budget justification.

Dr Stefania Forner:

Yeah. Thank you, Eduardo. That’s a good for the ones listening that are in different countries. They’re not in U.S. And even if you are in U.S, right Joe? Like DeAnnah said, you do need to justify. You need to explain if you’re asking 10% here or you’re not having a salary. You’re not asking salary because maybe it’s coming from another funding mechanism. You need to explain that. So, Joe, how do you put your budget together?

Dr Joe Abisambra:

Well, I’ll just say two things. First to follow up on Eduardo’s comments. The review groups are made up of folks from different parts of the world as well. But the majority’s going to be from the United States and a few folks from Europe. And in fact, I remember, and it’s an anecdote I want to share, that something similar came up in our last group, where an application from Brazil was going to look at a recruitment of patients.

Dr Joe Abisambra:

And one of the reviewers thought, well, this doesn’t make sense in terms of budget. How are they going to recruit patients and this number of patients? And we said, well, wait a minute. We don’t know how it works in Brazil. And they may have a close relationship with a hospital that has already invested in doing some of this research. And so, it led to an interesting discussion that normally we wouldn’t have had.

Dr Joe Abisambra:

So, while the reviewers are trying to be open, it’s not natural for folks who work in the United States to understand the policies and the costs in other places. And that’s why it’s so important to come back in your budget justification and say, we are only going to pay 10% for PET scans because we have this subsidy or whatnot. And then it becomes as Eduardo said, a huge strength.

Dr Joe Abisambra:

The second thing I want to mention is that most people that I know, most people who I know dislike doing the budget. Because it’s a lot of grant work. But I’ll tell you something. I dislike it as well. But first of all, I work with an amazing team of grant administrators in my department. And with them, I’ve crafted a spreadsheet like DeAnnah said, that has helped me really polish the grants in a nice way.

Dr Joe Abisambra:

For example, I’ll come in thinking, okay, this is the total budget. What can I do with this amount of money? And then I go back to my… For example, if I’m doing a [inaudible 00:38:20] study, and I have my power analysis, I know I need to do… I need 20 mikes per group for this particular experiment. And then I come back, and I run the budget like, well, that’s going to use up the entire budget.

Dr Joe Abisambra:

So maybe I can’t do all of these experiments. And so maybe I can refine and do, well, maybe I can do MRIs. And then I say, okay, well, the MRI’s going to be way too expensive. But do I need all of this analysis and so on and so forth. And that also helps with the timeline.

Dr Joe Abisambra:

So, the budget can inform the grant as much as a grant can help build a budget. And that’s what I think DeAnnah said. It’s an iterative process of feeding back and forth. It’s all a single unit. And as you can see, the reviewers are going to go through everything. And it’s one body coming together as a grant that is not disjointed. It’s all connected.

Dr Stefania Forner:

I think that’s some… We’re at the end of our conversation today. And I think the things that can come out of this, the take home messages for the ones listening are, plan, plan, and plan. Write clearly, share your application, your letter of intent. Think about everything, if everything is making sense, if your letter of intent is making sense. If you’re invited for a full application, if everything is making sense.

Dr Stefania Forner:

So, before I’ll say the final words, DeAnnah, do you have any take home messages, the word besides rewriting and keep calm and write? I like that. Anything else that you want to add? And Eduardo and Joe, your take home messages.

Dr DeAnnah Byrd:

I’ll end with something that my mentor said to me, and I really liked it. And he said, “Hey, you’re never going to score a point if you don’t get off the bench.” So, I would say that any great idea is worthy to be funded, but it has to be submitted. So, besides keeping calm and writing, submit it and see what happens. You’d not be surprised from the outcome.

Dr Stefania Forner:

Thank you. Eduardo.

Dr Eduardo Zimmer:

Yeah. I would say that you need time to think. You need to read, reread, write, rewrite, and share with your colleagues. So as [inaudible 00:40:41] says, science is a team sport. Share with your colleagues.

Dr Stefania Forner:

Great. Joe.

Dr Joe Abisambra:

I’ll share with you that I love writing grants. I think it’s a lot of fun. And that statement has not made me very popular. But the idea here is that it’s an opportunity to write something that’s an idea. And you’re basing it on a hypothesis, a very well-informed hypothesis and anything is possible. Even if you’re wrong, that’s fine. But you are taking an opportunity to just… I mean, I know it’s corny, but it’s really taking a dream and putting it on there. And if you’re right, then that would be an amazing contribution to the field.

Dr Joe Abisambra:

So, I think we should all enjoy the process of writing grants. Although it’s hard sometimes to see the process of the score. But let’s write the grants first and then we’ll worry about the score.

Dr Stefania Forner:

Exactly. And if you can… For those… You will get the reviewers like someone mentioned in the beginning and you can make your next application stronger or another mechanism. So, it’s always tough to get maybe not funded, but it’s always a learning experience for sure. And I do want to say something that I always say when I’m talking about grants. We all want to win the lottery, but we got to buy a ticket and put the numbers out there. You only get funded by the Alzheimer’s Association if you put a letter of intent there.

Dr Stefania Forner:

So, I want to… That’s my take home message. Don’t give up. If you don’t get funded the first round, come back, resubmit and don’t feel depressed. It’s a learning curve for all of us.

Dr Stefania Forner:

I want to thank you so much, DeAnnah, Eduardo and Joe. This was wonderful. I hope the ones listening also had a great time. And if you are interested in applying for mechanisms of funding for research fellowships or research grants from the Alzheimer’s Association, then the next round is going to open in August, September.

Dr Stefania Forner:

We currently close for the letter of intent in February and they’re under review right now. So, the next round will be August and September. So, think about that. Listen to us. This was great. So many great tips. You’ll make the proposal strong, the reviewer’s job easier.

Dr Stefania Forner:

And hopefully if you have any questions, you always can reach out to the Alzheimer’s Association. We do have profiles of all the panelists today on the website, including details of their Twitter accounts. So, take a look at the podcast website. We’ll also include links to all the websites we discussed. So, like ISTAART that I mentioned, and the online seminar series that we mentioned that all of this [inaudible 00:43:35] panelists also anticipated in January, February, and all the show notes.

Dr Stefania Forner:

Also, I do want to remember to you all, a reminder that whenever you are, whichever place you are listening to this, do subscribe to the podcast, spread the word. This is a great resource for dementia. And there’s so many great topics out there to be discussed and still being discussed.

Dr Stefania Forner:

So, thank you again, Joe, Eduardo and DeAnnah and listeners for making this a priority. And I hope you all have a wonderful day. Bye

Voice Over:

Brought to you by dementiaresearcher.nihr.ac.uk. In association with Alzheimer’s Research UK and Alzheimer’s Society. Supporting early career dementia researchers across the world.

END

Click here to read a full transcript of this podcast in Portuguese

Orador 1:

Bem-vindo ao Podcast de Pesquisador de Demência do NIHR. Trazido a você por demênciaresearcher.nihr.ac.uk. Em associação com a Alzheimer’s Research UK e a Alzheimer’s Society, apoiando pesquisadores de demência em início de carreira em todo o mundo.

Dra Stefania Forner :

Olá pessoal. E obrigado por ouvir o Dementia Researcher Podcast, onde discutimos carreiras, ciência e pesquisa. Sou a Dra. Stefania Forner e estou muito feliz por ser a convidada anfitriã do trabalho desta semana. Trabalho na Alzheimer’s Association como diretora de relações médicas e científicas. E meu papel principal é supervisionar e gerenciar a função do dia a dia do programa internacional de bolsas de pesquisa e do programa de financiamento de bolsas estratégicas.

Dra Stefania Forner :

Hoje, eu e meu incrível painel de convidados vamos compartilhar algumas das principais dicas e conselhos sobre como ser um candidato bem-sucedido para a bolsa da Associação de Alzheimer ou até mesmo uma bolsa de pesquisa para a Associação de Alzheimer.

Dra Stefania Forner :

Como o maior financiador sem fins lucrativos da pesquisa de Alzheimer, a Alzheimer’s Association está empenhada em acelerar o progresso global de novos tratamentos, prevenção e, finalmente, uma cura. Não há nada que gostemos mais do que financiar grandes pessoas e pesquisas. E torna o trabalho dos revisores e meu trabalho muito mais fácil quando recebemos ótimas inscrições. Então, este show é sobre tornar minha vida mais fácil e conseguir o financiamento que você precisa.

Dra Stefania Forner :

Então vamos começar a dar a volta e apresentar nossos convidados que temos hoje. A imparável Dr. DeAnnah Byrd, Professora Assistente da Edson College of Nursing and Health Innovation no Arizona, Estados Unidos. Em seguida, temos o lendário Dr. Eduardo Zimmer, Professor Assistente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul no Brasil. E, finalmente, tenho o prazer de dar as boas-vindas ao incrível Dr. Joe Abisambra , Professor Associado da Faculdade de Medicina da Universidade da Flórida.

Dra Stefania Forner :

Então, olá a todos. Obrigado por falar comigo e se juntar a nós hoje. Então eu gostaria de DeAnnah , apenas se você quiser se apresentar um pouco e falar um pouco sobre você e então nós vamos para o Eduardo e Joe.

Dra . De Annah Byrd :

Olá pessoal. É bom estar em podcasts hoje, e realmente compartilhar algumas ideias com vocês enquanto estão pensando em se inscrever na Alzheimer’s Association, que é uma incrível oportunidade de financiamento. Então definitivamente faça isso.

Dra . De Annah Byrd :

Eu estudo tudo o que tem a ver com resultados cognitivos e de saúde mental em negros americanos. Em particular, estudo três áreas. Eu estudo estressores crônicos. Também estudo estressores biológicos e fatores de enfrentamento, bem como condições crônicas de saúde e como essas coisas funcionam juntas ou contra o desenvolvimento de declínio cognitivo ou Alzheimer e demência mais tarde na vida dos negros americanos.

Dra Stefania Forner :

Eduardo. Você quer…

Dr Eduardo Zimmer:

Olá, Stefania. Muito obrigado por me receber aqui. É um grande prazer. Então eu sou Eduardo. Sou professor assistente no Brasil. Para começar, gostaria de lembrar que a Alzheimer’s Association financia pesquisas no Brasil, financia pesquisas e pesquisas internacionais em todo o mundo. E eu tenho um grande laboratório aqui. Temos cerca de 30 alunos. E o laboratório está interessado em entender astrócitos e biomarcadores de neurodegeneração no contexto da doença de Alzheimer. E estou ansioso para discutir com você hoje.

Dra Stefania Forner :

Parece maravilhoso. Joe, o último mas não menos importante.

Dr. Joe Abisambra :

Não é tão incrível quanto você pode pensar. Meu nome é Joe Abisambra . Como Stefania mencionou, sou professor associad da Universidade da Flórida. E também desempenho um papel no escritório do Reitor como Reitor Adjunto de Diversidade e Equidade em Saúde. E no lado da pesquisa, meu principal trabalho e paixão é essencialmente entender como o cérebro funciona.

Dr. Joe Abisambra :

E estou me concentrando em… Uma maneira de aprender sobre como o cérebro funciona é estudar doenças nas quais o cérebro não funciona tão bem quanto deveria. E assim, tenho focado a maior parte do meu trabalho em uma proteína chamada Tau. E isso me deu uma oportunidade incrível de estudar mais de 20 doenças neurodegenerativas que compartilham características com a doença de Alzheimer. E um dos que também analisamos além do Alzheimer são as consequências a longo prazo de lesões na cabeça repetitivas, também conhecidas como Eencefalopatia Traumática Crônica ou CTE.

Dra Stefania Forner :

Soa bem. Obrigado a todos. E eu quero ressaltar que todos esses grandes palestrantes, eles realmente participaram da série de webinars masterclass que tivemos para a ISTAART na Alzheimer’s Association, onde eles compartilham suas dicas e sucesso. Então, hoje vamos fazer uma mensagem para levar para casa, um resumo dessa série de webinars. Além disso, se você ainda não faz parte do ISTAART, eu o encorajo a considerar fazer parte dele e visitar alz.org/istaart .

Dra Stefania Forner :

Então, obrigado a todos por participarem hoje. Tentamos tornar este tópico de redação de subsídios, redação de bolsas um pouco mais fácil e dividir em etapas. Vamos dividir duas etapas da Bolsa de Pesquisa da Associação de Alzheimer. Mas todos vocês, bem, Joe, Eduardo e DeAnnah também são revisores. Assim, eles também darão sua perspectiva como revisores, como mentores dos candidatos.

Dra Stefania Forner :

Então, vamos começar com você DeAnnah , quando você está enviando uma carta de intenção, ou pensando em sua própria pesquisa ou um aluno seu, colocando algo no futuro, pensando em planejar enviar algo, qual é o seu processo? Você planeja com antecedência? Como é a sua linha de pensamento?

Dra . De Annah Byrd :

Sim. Essa é uma ótima pergunta. Então, para mim e para meus alunos, eu definitivamente planejo com antecedência. Então eu acho que definitivamente leva tempo para permitir que suas ideias sejam incubadas e você não quer ser apressado no último minuto. Portanto, sendo muito cuidadoso com a linha do tempo quando as coisas são devidas, porque sem a carta de intenção, o aplicativo não pode avançar.

Dra . De Annah Byrd :

Portanto, é muito importante que, embora a carta de intenção não seja um documento longo, vale a pena gastar seu tempo para planejar com antecedência. Que talvez você possa ter várias iterações dele. Também é uma ótima estratégia compartilhar esse material com, digamos, outros colegas seniores ou professores ou qualquer outra pessoa que seus mentores, que você tenha, com quem esteja pensando em trabalhar na proposta. Seria ótimo receber o feedback deles nessa fase.

Dra . De Annah Byrd :

Então, realmente o planejamento com antecedência é importante. Mesmo quando se trata da carta de intenção, que talvez seja um documento mais curto em comparação com o aplicativo geral.

Dra Stefania Forner :

Eduardo, qual é a sua linha de pensamento? Você faz algo diferente? Como funciona? Estamos em diferentes… Você está em um país diferente. Então, você tem talvez mais burocracia do seu lado para colocar uma carta de intenção ou não?

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Eu concordo com tudo. Planejar com antecedência é fundamental. E para brasileiros como eu, temos muita burocracia na universidade aqui. Portanto, se você não planejar com antecedência, não poderá me enviar sua carta de intenção.

Dr Eduardo Zimmer:

A outra coisa que eu concordo fortemente é a ideia de compartilhar a carta de intenção com seus colegas, com seus mentores senior, com seus alunos. Então é melhor receber críticas de pessoas que você conhece, do que receber críticas de pessoas que você não conhece. Seriam os revisores, certo? Então é melhor compartilhar sempre antes de enviar.

Dr Eduardo Zimmer:

Outra coisa que eu acho super importante. Então você tem uma página para entregar sua novidade, para entregar sua ideia, seus objetivos. Então você precisa ser muito claro. Então o fluxo precisa ser… Precisa entender qual será a proposta baseada na carta de intenção. Então, é só uma página e geralmente leva muito tempo para ter uma boa página com um bom fluxo, com os objetivos, com os objetivos bem claros. Então este é o meu conselho.

Dra Stefania Forner :

E você Joe?

Dr. Joe Abisambra :

Bem, meu processo é como muitos de nós em andamento constantemente. E assim, desde o início da minha carreira, sempre tentei ter dois projetos, duas grandes ideias. E de alguma forma eles convergiram no campo principal pelo qual eu estava interessado e apaixonado.

Dr. Joe Abisambra :

E assim, tentei ao longo do tempo agrupa-los. E a beleza disso é que não está começando hoje. É que está sempre correndo na minha cabeça e eu penso nisso. E quando estou passeando com meu cachorro, penso nisso. E quando de repente, em um ponto eu estava cortando a grama, eu estava pensando. E você nunca sabe quando essa ideia vai dar certo.

Dr. Joe Abisambra :

E assim, agrupar isso para cada uma das candidaturas para cada uma das agências de fomento e assim por diante, me permitiu formatar essas ideias de uma forma concisa, breve, que pudesse traduzir uma visão e uma estratégia. E é exatamente isso que a carta de intenção pode ajudar a delinear. Achei a carta de intenção muito útil, na verdade. Porque me fez ser muito conciso e organizado de forma tangível, como eu ia planejar essas ideias.

Dra Stefania Forner :

Então, eu quero fazer uma pergunta. Vou começar com você DeAnnah , e depois dar a volta também. Mas quando você está planejando muita intenção, você já tem o aplicativo completo se for convidado para um aplicativo completo definido em suas mãos? Ou você faz a carta de intenção como uma cotação, como um estudo piloto? Tipo, eu vou colocar isso em um papel. E se eu for chamado para uma inscrição completa, vou pensar sobre meus objetivos de forma mais completa, mais clara. Ou você já tem a visão do começo ao fim quando coloca a carta de intenção?

Dra . De Annah Byrd :

Essa é uma ótima pergunta. Gostaria de dizer que tenho a visão do início ao fim. Mas os planos mais bem feitos devem ser mudados, como dizem. Então, eu diria que em um mundo perfeito, minha sugestão seria, sim, se você pudesse ter esta carta de intenção e seus objetivos já redigidos do que você está pensando para a proposta completa ou a aplicação completa, se você está convidado a fazê-lo. Isso é simplesmente maravilhoso, certo?

Dra . De Annah Byrd :

Quero dizer, isso realmente agiliza o processo porque, primeiro, quando você entra para trabalhar no aplicativo completo, é mais fácil, certo? Vamos apenas logisticamente, é mais… É mais fácil abordar quando você já tem algumas ideias formativas sobre o que você vai fazer, como você vai abordar, você tem os dados, certo? Portanto, muitos desses detalhes já estão elaborados em sua mente e, portanto, tornam os próprios componentes do aplicativo potencialmente mais fáceis.

Dra . De Annah Byrd :

Na realidade, porém, acho que nem sempre trabalhamos dessa maneira. Então não se preocupe. Se você não tiver, eu ainda sugiro fortemente que você se inscreva colocando sua carta de intenção. E talvez depois que a carta de intenção entrar, comece a pensar, se isso for convidado para uma inscrição completa, o que eu faria, como desenvolveria isso ainda mais?

Dra . De Annah Byrd :

Então, realmente sendo crítico sobre, ok, qual conjunto de dados vou usar? Quais serão minhas medidas, quem eu gostaria de ser como meus mentores? Ou quem eu gostaria de me escrever cartas de apoio, certo? Então, mesmo começando a juntar algumas das peças da carta de intenção, será útil para você.

Dra . De Annah Byrd :

A última coisa que eu acho que vou dizer que é muito, muito útil para mim foi que, é como eles dizem essa ideia, é ótimo lançar sua ideia para diferentes agências de financiamento. Então, outra coisa a se pensar é, se você não tem uma visão completa para isso, mas está vendo como o trabalho de Alzheimer pode realmente se encaixar com esse financiamento, então talvez você tenha outra ideia que já tenha objetivos e coisas assim. Pode ser que você possa apenas ajustar algo que você tem alterando um pouco seu foco, certo?

Dra . De Annah Byrd :

Então, todos nós temos projetos tipicamente diferentes nos quais estamos trabalhando em um determinado momento. Portanto, não pense necessariamente que você precisa criar algo completamente do zero. Pode ser que, por exemplo, você tenha uma proposta que você fez, digamos, saúde física, e agora você está tipo, uau, eu nunca pensei nisso. Talvez eu possa incorporar algumas medidas de Alzheimer nisso ou algumas medidas cognitivas. E talvez eu possa usar a mesma população, certo?

Dra . De Annah Byrd :

Assim, permite que você fique na mesma linha de seu interesse de pesquisa e não se desvie muito, e também ajuda você a ter esse aplicativo bem montado quando for convidado.

Dra Stefania Forner :

Sim. Eu acho isso ótimo. Especialmente para pesquisadores em início de carreira. Às vezes você pode usar diferentes… Obviamente, do ponto de vista da Alzheimer’s Association, quero que os telespectadores, os ouvintes saibam que, na verdade, não financiaremos estudos sobrepostos. Portanto, se você estiver fazendo o mesmo estudo em outro lugar, sendo financiado em outro lugar, não o financiaremos. Mas concordo com DeAnnah em usar esse conjunto de dados. Você pode usar o conjunto de dados e criar um estudo diferente ou uma ideia diferente.

Dra Stefania Forner :

E também, um lembrete a todos os ouvintes, se você planeja se inscrever na Alzheimer’s Association, não exigimos dados preliminares. Não é um requisito. Obviamente, se você tem e isso torna a hipótese mais forte e você pode provar sua hipótese, é altamente recomendável que você apresente dados preliminares sobre suas aplicações para uma aplicação completa. Mas não é recomendado. Então, se for algo mais piloto, vá em frente.

Dra Stefania Forner :

Eduardo, você tem alguma coisa… Você planeja como… Obviamente eu concordo com DeAnnah . Todos nós desejamos o mundo perfeito que tivemos a ideia do início ao fim tudo montado no cérebro, mas nem sempre acontece assim. Então, qual é o seu processo?

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Acho que DeAnnah e você cobriram quase tudo aqui. Então, mas se você tem a visão, então os objetivos, é claro que você pode expandir mais tarde. Então, você tem a carta de intenção, e quando você começa a escrever o projeto completo para incluir, se você tem dados preliminares, às vezes você vê que, meu Deus, eu posso incluir um novo experimento aqui. Eu posso adicionar este banco de dados.

Dr Eduardo Zimmer:

Então, eu acho que isso é uma coisa que acontece muito. Você escreve a carta de intenção. Você tem uma ideia. Quando você começa a escrever o projeto completo, percebe que existem alguns experimentos que devem ser incluídos. Há [inaudível] que você também precisa incluir.

Dr Eduardo Zimmer:

Então não acho que isso seja um problema. Mas se você tem sua visão principal, o resultado primário, o resultado, algo que você realmente está interessado, eu acho que você pode expandir na submissão completa. Mas acho que a principal questão deste último de intenção, deve ser a pergunta que você está respondendo no projeto completo.

Dra Stefania Forner :

Excelente. Joe, então quando você está cortando sua grama no sábado de manhã pensando no projeto, você acha que, a coisa toda, você faz como Eduardo mencionou, quando você está escrevendo o aplicativo completo, você fica tipo , você tem essa ótima ideia e-

Dr. Joe Abisambra :

Não. Então eu tenho um bloqueio. Eu tenho dois blocos, certo? E eu apenas começo a esculpir, esculpir e inventar algo. Agora as ideias surgem durante o corte da grama ou a troca da fralda do meu bebê ou qualquer outra coisa. Mas o que quer que esteja acontecendo lá, é apenas o que for clicado. A ideia está aí. E com isso, podemos construir a proposta real. Mas claro, você está esculpindo certo? E para construir algo que você disse, não seria incrível ter tantos subsídios financiados que você diz, eu tenho que recusar um ou dois porque eles se sobrepõem.

Dr. Joe Abisambra :

Então, aqui está a grande vantagem disso, de enviar para diferentes agências de fomento. E é que você sempre terá feedback. E o feedback que você recebe anonimamente pode ajudá-lo a esculpir sua própria concessão. E isso certamente me ajudou a refinar minhas ideias e alimentá-las ainda mais em um pacote que poderia ser financiado, seja para os Institutos Nacionais de Saúde, a Associação de Alzheimer e outras agências de financiamento.

Dr. Joe Abisambra :

E o escopo também é importante. Por exemplo, os primeiros subsídios para pesquisadores da Alzheimer’s Association são semelhantes em escopo para talvez um pouco em torno do intervalo de um R21 por um ano ou dois, que é um dos subsídios iniciados por pesquisadores do National Institutes of Health.

Dr. Joe Abisambra :

E assim, o que eu fiz foi receber uma doação semelhante que enviei para a Alzheimer’s Association e também para os National Institutes of Health. E isso já aconteceu, mas se eu conseguisse os dois, eu poderia recusar um deles . Mas o importante é que sempre recebo o feedback. E é um trabalho em andamento. Eu nunca tenho a ideia de uma vez. É um trabalho em progresso.

Dra Stefania Forner :

Sim. Esse é um ótimo conselho. Então eu acho que para resumir essa primeira conversa que estamos tendo, é um plano, certo? Pense nisso. Compartilhe com seus colaboradores e nós mentores. Porque estamos falando também de vocês como candidatos. Mas, como mentores, para a Bolsa de Pesquisa da Associação de Alzheimer, você tem o componente de orientação. Você também tem o componente candidato.

Dra Stefania Forner :

E aí você… Então você tem a mentoria, aí parte que o mentor vai ver qual é o plano de treinamento, como ele vai apoiar o candidato. Você faz com que o candidato escreva a declaração de compromisso de como isso vai avançar no desenvolvimento profissional de sua própria carreira, como vai combinar com o plano de treinamento do mentor.

Dra Stefania Forner :

Então, quando você estava aplicando DeAnnah , você era uma fellow, como você trabalhou com seu mentor? Mas também se você estiver analisando uma inscrição para a Alzheimer’s Association, como você avalia o comprometimento do mentor e do candidato? Como você faz isso?

Dra . De Annah Byrd :

Então, acho que para responder à sua primeira pergunta, como candidato, definitivamente trabalhei com meus mentores. Descobri que isso não apenas fortaleceu minha aplicação, mas melhorou o que projetamos em termos do que estamos propondo que faremos. Então, o plano de orientação que vou apresentar na minha inscrição.

Dra . De Annah Byrd :

E então eu diria, uma das maneiras de fazer isso, se eu estivesse revisando, é, eu olharia para uma, as cartas, para ter certeza de que as cartas dos mentores são realmente de apoio ao candidato. Que o candidato tem potencial não só para fazer o trabalho, mas tem potencial para realmente ser um líder no campo da pesquisa de Alzheimer, certo? Quero dizer, essa é realmente a ênfase. Então, posso ver seu potencial e seu potencial futuro? Isso é realmente importante.

Dra . De Annah Byrd :

A segunda coisa que eu diria é, e olhando para o plano de mentoria, como é que o candidato vai usar seu mentor em termos de desenvolvimento e desenvolvimento de carreira? E também, como esse pesquisador vai se desenvolver de forma independente?

Dra . De Annah Byrd :

Então, não apenas o mentor apresentará o candidato para dizer suas redes e oportunidades de colaboração, mas, além disso, o que o candidato está dizendo que fará para desenvolver ainda mais suas próprias redes profissionais e desenvolver realmente sua própria trajetória de carreira. Então, essas são algumas das coisas que eu procuraria como revisor.

Dra Stefania Forner :

Fantástico. Eduardo, qualquer coisa a acrescentar como um-

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Então, eu estava pensando aqui, então uma das coisas mais importantes na minha opinião é, não seja genérico. Precisamos ver você. Acho que cada aluno é único, tem um percurso único. Então, se o revisor pode realmente ver você, acho que você tem mais chances. Então, essa mentoria e a mentoria e o aluno, a forma que eles vão desenvolver o projeto precisa ser única. Portanto, a maneira como as cartas estão sendo lidas precisa ser única.

Dr Eduardo Zimmer:

Então, se você colocar um monte de coisas genéricas, as coisas que você pode ler em qualquer blog e coisas assim, acho que você tem menos prioridade para financiamento. Mas se você é único, se você consegue ver que esse é um candidato único, ele tem muito mais chances, eu acho.

Dra Stefania Forner :

Excelente. E você, José? Você também é um revisor, assim como todos na chamada. O que você vê, quando você está olhando para uma declaração de mentor ou candidato, o que você está olhando como revisor para a inscrição completa?

Dr. Joe Abisambra :

Bem, para acompanhar o que DeAnnah e Eduardo disseram, quero ver se a declaração do mentor e a declaração do candidato realmente fazem sentido. E você pode dizer que uns aos outros estão trabalhando juntos. A última coisa que eu gostaria de ver ou me entusiasmar é um mentor que está escrevendo uma coisa e o candidato está completamente desarticulado. Isso me diz claramente que esta não é uma boa parceria. E o projeto provavelmente falhará.

Dr. Joe Abisambra :

Vocês estão trabalhando juntos. Isso está novamente voltando à ciência e colaboração da equipe, especialmente da perspectiva de um mentor. E agora, seguindo Eduardo, o que eu quero ver sobre o candidato é, e eu disse isso antes um pouco mais dramaticamente, você quer que essa declaração pessoal grite sobre sua personalidade. Estou analisando 10 desses subsídios, se não mais, ou cartas de intenção, e todos vão ler as mesmas frases genéricas. sou apaixonada por…

Dr. Joe Abisambra :

Bem, todos nós somos apaixonados pela doença de Alzheimer. Vamos. O que faz você se destacar? Por que você deve obter esse financiamento e avançar no campo da pesquisa da doença de Alzheimer? Como vamos impactar o paciente? Como vamos aprender melhor sobre o cérebro? Isso é o que eu amo ver. E que eu acho que os revisores nos deixam muito animados com a concessão e dizem, eu quero ir para a próxima página. Eu não posso esperar.

Dra Stefania Forner :

Sim. Eu acho isso ótimo. Acho que o que vocês três acabaram de apontar, é fantástico. Do ponto de vista da Associação de Alzheimer, é isso que queremos. E pelo que eu disse no início, se você seguir isso, estará facilitando a vida do revisor. Porque eu quero [inaudível 00:24:05] o que Joe disse.

Dra Stefania Forner :

A Alzheimer’s Association vai enviar talvez a um revisor, 10 cartas de intenção de revisão, talvez 15. E o que está por aí? O que se destaca em sua carta de intenção ou em uma inscrição completa quando você é convidado para uma inscrição completa? [inaudível 00:24:26].

Dra Stefania Forner :

O revisor não terá apenas um pedido completo para revisão, mas cinco, talvez 10. E o que se destaca? Como vai ser, estou olhando para este aplicativo e adoro isso. Tudo combina. Tudo otimo. E então passando para o plano de trabalho, porque isso é tipo, é um mosaico, né? Você está juntando peças. Então, você tem o componente de mentoria, você tem o componente de candidato, a carta de apoio [inaudível 00:24:55].

Dra Stefania Forner :

Mas então você também tem a ciência. Você tem que planejar o plano de trabalho, sua hipótese, seus objetivos específicos. Então, obviamente, tocamos as bases há alguns minutos, mas isso é você escrevendo mais. Você tem mais páginas para explorar isso. Então, você escreve? E você compartilha com seu mentor ou seus colaboradores enquanto escreve? Ou uma vez feito, você tem o primeiro rascunho?

Dra Stefania Forner :

E eu vou começar com DeAnnah . Você escreveu sua inscrição completa e depois compartilhou tudo com seu mentor ou seus colegas? Ou você escreveu um pouco, compartilhou, recebeu um pouco de feedback, foi e voltou? Como foi o seu, bem, processo lá?

Dra . De Annah Byrd :

Sim. Eu definitivamente veria o processo como irritante . Então, apenas tenha isso em mente. Como meu mentor me disse há muito tempo, escrever bem é reescrever. Então, fique calmo e escreva. Então, eu achei que esta é uma maneira útil e eficiente. Então, eu realmente escreveria, digamos, talvez, o plano de orientação. E então eu enviaria isso para minha equipe de mentores. E enquanto eles revisavam isso e me davam feedback, eu começava a desenvolver minha abordagem e estratégia de pesquisa.

Dra . De Annah Byrd :

Então, era uma maneira de manter minha mente trabalhando constantemente em todo o aplicativo, mas realmente em pedaços. E eu achei isso muito eficaz. Diga, eles estão todos muito ocupados. Então eles precisavam dizer uma semana ou talvez até duas, certo? Para revisar um documento e devolvê-lo para mim, talvez não. Mas isso me daria então, digamos, uma ou duas semanas para desenvolver a próxima peça. Assim, quando recebi o feedback deles, pude dar-lhes o próximo documento.

Dra . De Annah Byrd :

Então, se você puder configurá-lo novamente, é por isso que, voltando à primeira questão de planejar com antecedência e dar a si mesmo tempo, você quer ser capaz de criar tempo para que seus mentores realmente lhe dêem um feedback significativo. E ninguém gosta de receber algo e dizer: “Ei, você pode me devolver isso em dois dias?” Isso é uma diferença do que quando eles dizem: “Oh, eu tenho duas semanas ou uma semana inteira para lhe dar algum feedback. E então eles podem gastar seu tempo e dar um feedback que potencialmente fortalecerá a inscrição e obterá financiamento para você .

Dra Stefania Forner :

Sim. Isso é ótimo. Eduardo, algo a acrescentar?

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Normalmente, o que faço quando tenho o primeiro rascunho de um documento, compartilho com um dos meus colegas. Isso geralmente é o que eu faço. E você precisa encontrar essas pessoas. Então, tenho quatro ou cinco colegas que estão sempre disponíveis para revisar minhas bolsas e minhas cartas de intenção. Então, você precisa encontrar esse grupo, o grupo de apoio.

Dr Eduardo Zimmer:

E costumo escrever primeiro o primeiro rascunho do documento, depois compartilho com esse grupo de apoiadores. Claro, meus alunos, eles sempre revisam as bolsas também. Eles sempre revisam a carta de intenções. Mas tenho um grupo de mentores e colegas seniores que estão sempre disponíveis para revisar minhas bolsas e minhas inscrições.

Dr Eduardo Zimmer:

Então, você precisa encontrar essas pessoas. Este grupo de apoio. E geralmente compartilha quando tem o primeiro… Na minha opinião, é melhor ter o primeiro rascunho. Não compartilhar um ou dois parágrafos. Então, não faz sentido na minha opinião. Você precisa ter pelo menos alguns documentos. Então eles podem revisar e dar um feedback.

Dra Stefania Forner :

Isso é bom. E você, José?

Dr. Joe Abisambra :

Sim. Concordo com o que tanto Eduardo quanto DeAnnah mencionaram. Certifique-se de que está escrito, talvez reescrito um pouco, porque eu amo o que DeAnnah disse, escrever bem é reescrever. E certifique-se de que… Porque é respeitoso. Você quer ser respeitoso com as pessoas que estão ajudando você. E então, isso é… eu concordo completamente com o que você disse. Dê tempo suficiente e escreva algo que seja convincente e coerente. E então você vai receber feedback. Coisas que eu não vi. E agora posso me ajustar a isso.

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Reescreva várias vezes antes de compartilhar. Não compartilhe seu primeiro rascunho. Reescreva várias vezes. Este é o melhor conselho que se pode dar. As pessoas querem receber algo afiado para revisar. Super importante João. Acho isso super, super importante. O melhor conselho quando você está compartilhando um documento.

Dra Stefania Forner :

Acho que reescrever. E acho que gosto do que DeAnnah disse também. Portanto, mantenha a calma e escreva. Então… Pode ser uma caneca para ela distribuir no campo. Fique calmo. Ou talvez uma camiseta. Mas é uma… eu acho que da perspectiva da Alzheimer’s Association, é isso que a gente quer. Queremos que as pessoas pensem à frente, planejem com antecedência. Temos ciclos de abertura e reabertura ao longo do ano. E a rede, é algo importante. Como o Eduardo disse, tenha esses mentores. Tem aquelas pessoas que você pode compartilhar seu aplicativo?

Dra Stefania Forner :

Na Alzheimer’s Association como mencionei, você tem ISTAART, talvez tenha uma rede lá. Você tem rede dentro de sua universidade ou amigos e familiares. Na verdade… Da série de webinars que tivemos sobre o guia para as bolsas, alguém realmente mencionou isso, compartilha sua inscrição para, acho que foi sua esposa ou alguém da família, isso não é uma área médica ou, mas se eles pude entender, a mensagem não através da ciência, mas a mensagem que estava sendo descartada, eles estavam tipo, ok, estou escrevendo de forma concisa. Estou escrevendo, é compreensível.

Dra Stefania Forner :

Então, essas são todas as dicas que eu acho que são úteis para você ouvir quando você coloca um aplicativo. Acho que é para isso que estamos trabalhando.

Dra Stefania Forner :

E então a última etapa, mas não a mais importante, obviamente acho que a mais importante de todas, é o orçamento que você precisa. Então você coloca a ciência no papel, quanto você precisa? Como você fornece, talvez salário, talvez um colaborador, talvez um equipamento ou um núcleo? Como montar o orçamento? Como você pensa sobre isso dentro do financiamento que você tem disponível para o projeto específico que você estava se candidatando?

Dra Stefania Forner :

Então, DeAnnah, você trabalhou com seu mentor? Você trabalhou com o departamento da instituição? E aí você também tem que colocar a justificativa do orçamento. Portanto, não é apenas colocar números em uma planilha, mas também explicar por que você precisa disso. Então, como você trabalhou com isso?

Dra . De Annah Byrd :

Sim. Então eu definitivamente trabalhei mais com meu departamento. Temos uma pessoa que ajuda com doações. E assim, montei uma planilha em Excel com as categorias que estava pensando. Então, para viagens, por exemplo, para salário. Então, eu realmente pensei, e penso em usar esses dólares e, claro, durante a duração do prêmio.

Dra . De Annah Byrd :

Então, no meu caso, meu prêmio é de três anos. Então, olhando por exemplo, quais conferências, especialmente a conferência de Alzheimer, a conferência anual que é todo ano. Então, certifique-se de alocar isso para viajar para participar disso. E, claro, pensando no meu apoio salarial e em qualquer outro dinheiro de pesquisa que eu precisasse para realmente apoiar o trabalho.

Dra . De Annah Byrd :

E então eu também, quando escrevi a justificativa do orçamento, embora eu faça uma ressalva. Então, trabalhei em estreita colaboração com meu departamento quando estava montando a planilha do Excel. Exatamente o que estou pensando para os três anos em que vou ter essa bolsa. Mas então, quando chegou a minha justificativa orçamentária, eu definitivamente trabalhei com meus mentores.

Dra . De Annah Byrd :

Então, eu realmente quero que isso fique claro porque o bolsista, embora esteja muito familiarizado com a elaboração desses orçamentos, já os fez antes para outros financiamentos, é muito importante que eu pense que seu mentor acabou de ler a justificativa do orçamento . Só para você ter outro par de olhos para ter certeza de que está claro para que você vai usar o dinheiro e que você está justificando adequadamente.

Dra Stefania Forner :

Excelente. Obrigado DeAnnah . E você Eduardo? Eu sei que DeAnnah está localizada nos Estados Unidos assim como Joe, mas você está em um país diferente e talvez alguns dos ouvintes também estejam em outros países, e você está no Brasil. É diferente? O que você faz de diferente?

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Há… É um pouco diferente. Mas acho que o mais importante é que o orçamento precisa fazer sentido. Precisa corresponder aos experimentos que você está propondo. Esta é a primeira coisa. Se você está propondo algo, o orçamento precisa corresponder. Esta é a minha dica número um.

Dr Eduardo Zimmer:

No Brasil é claro, por exemplo, se quiser pagar um salário para um pós-doutorando, para um doutorando é bem mais barato. Então podemos ter vários pós-docs no mesmo aplicativo porque nossa moeda aqui, o real, é muito menor que o dólar americano. Então isso é uma coisa diferente.

Dr Eduardo Zimmer:

Mas deixe-me contar uma história que aconteceu comigo. Minha primeira inscrição para a Associação de Alzheimer. Eu estava verificando meus aplicativos há alguns dias. E reli os comentários dos revisores da minha primeira inscrição que não foi financiada pela Alzheimer’s Association. E recebi muitas críticas boas, boas revisões. Como o revisor número um ficou muito feliz com a proposta. Então a pergunta foi boa. Tudo estava bom.

Dr Eduardo Zimmer:

E um dos revisores, ele me deu uma taxa ruim para o meu orçamento. E então percebi que na época eu tenho um acordo com uma instituição aqui para pagar apenas 10% por uma tomografia por emissão de pósitrons. Então era uma quantia muito pequena e eu não justificava.

Dr Eduardo Zimmer:

Então ele escreveu de volta. Ok, isso é irreal. É muito barato para um PET scan. E percebo que deveria ter expandido a explicação para mostrar a ele que tenho esse acordo. Na verdade, é uma das vantagens da minha proposta. Eu seria capaz de executar vários exames PET com uma quantia muito pequena de dinheiro. Tornou- se um dos pontos fracos da minha proposta e não consegui a bolsa.

Dr Eduardo Zimmer:

Então, o que eu acho importante combinar, e se você tem algo diferente, algo que te faz bem, você precisa expandir e explicar porque você está pagando tão pouco por algo ou porque você está, por exemplo, no meu última aplicação, tenho duas ou três bolsas de pós-doutorado que poderei pagar porque o salário no Brasil é muito inferior ao salário nos EUA. Essa é uma vantagem que você precisa deixar claro na justificativa do orçamento.

Dra Stefania Forner :

Sim. Obrigado Eduardo. Isso é bom para os ouvintes que estão em países diferentes. Eles não estão nos EUA E mesmo se você estiver nos EUA, certo Joe? Como DeAnnah disse, você precisa justificar. Você precisa explicar se está pedindo 10% aqui ou se não está tendo um salário. Você não está pedindo salário porque talvez venha de outro mecanismo de financiamento. Você precisa explicar isso. Então, Joe, como você organiza seu orçamento?

Dr. Joe Abisambra :

Bem, vou apenas dizer duas coisas. Primeiro a acompanhar os comentários de Eduardo. Os grupos de revisão também são formados por pessoas de diferentes partes do mundo. Mas a maioria será dos Estados Unidos e algumas pessoas da Europa. E de fato, eu me lembro, e é uma anedota que quero compartilhar, que algo parecido surgiu no nosso último grupo, onde uma candidatura do Brasil ia olhar para um recrutamento de pacientes.

Dr. Joe Abisambra :

E um dos revisores pensou, bem, isso não faz sentido em termos de orçamento. Como eles vão recrutar pacientes e esse número de pacientes? E nós dissemos, bem, espere um minuto. Não sabemos como funciona no Brasil. E eles podem ter uma relação próxima com um hospital que já investiu em fazer algumas dessas pesquisas. E assim, isso levou a uma discussão interessante que normalmente não teríamos.

Dr. Joe Abisambra :

Assim, enquanto os revisores tentam ser abertos, não é natural que as pessoas que trabalham nos Estados Unidos entendam as políticas e os custos em outros lugares. E é por isso que é tão importante voltar em sua justificativa orçamentária e dizer que só vamos pagar 10% por exames PET porque temos esse subsídio ou outros enfeites. E aí se torna como o Eduardo disse, uma força enorme.

Dr. Joe Abisambra :

A segunda coisa que quero mencionar é que a maioria das pessoas que conheço, a maioria das pessoas que conheço, não gosta de fazer o orçamento. Porque é muito trabalho de concessão. Mas eu vou te dizer uma coisa. Eu também não gosto. Mas, antes de tudo, trabalho com uma equipe incrível de administradores de subsídios em meu departamento. E com eles, elaborei uma planilha como DeAnnah disse, que me ajudou realmente a polir as doações de uma maneira legal.

Dr. Joe Abisambra :

Por exemplo, eu chego pensando, ok, esse é o orçamento total. O que posso fazer com essa quantia de dinheiro? E então volto ao meu… Por exemplo, se estou fazendo um estudo [inaudível] e tenho minha análise de poder, sei que preciso fazer… preciso de 20 microfones por grupo para este experimento em particular. E então eu volto e corro o orçamento como, bem, isso vai usar todo o orçamento.

Dr. Joe Abisambra :

Então talvez eu não possa fazer todos esses experimentos. E então talvez eu possa refinar e fazer, bem, talvez eu possa fazer ressonâncias magnéticas. E então eu digo, ok, bem, a ressonância magnética vai ser muito cara. Mas eu preciso de todas essas análises e assim por diante e assim por diante. E isso também ajuda com a linha do tempo.

Dr. Joe Abisambra :

Assim, o orçamento pode informar o subsídio tanto quanto um subsídio pode ajudar a construir um orçamento. E é isso que eu acho que DeAnnah disse. É um processo iterativo de retroalimentação. É tudo uma única unidade. E como você pode ver, os revisores vão passar por tudo. E é um corpo unido como uma concessão que não é desarticulada. Está tudo conectado.

Dra Stefania Forner :

Acho que isso é um pouco… Estamos no final da nossa conversa hoje. E eu acho que as coisas que podem sair disso, as mensagens para levar para casa para quem está ouvindo é planejar, planejar e planejar. Escreva com clareza, compartilhe sua inscrição, sua carta de intenção. Pense em tudo, se tudo está fazendo sentido, se sua carta de intenção está fazendo sentido. Se você for convidado para uma inscrição completa, se tudo estiver fazendo sentido.

Dra Stefania Forner :

Então, antes de dizer as palavras finais, DeAnnah, você tem alguma mensagem para levar para casa, a palavra além de reescrever e manter a calma e escrever? Eu gosto disso. Mais alguma coisa que você queira adicionar? E Eduardo e Joe, suas mensagens para levar para casa.

Dra . De Annah Byrd :

Vou terminar com algo que meu mentor me disse e eu realmente gostei. E ele disse: “Ei, você nunca vai marcar um ponto se não sair do banco.” Então, eu diria que qualquer grande ideia merece ser financiada, mas tem que ser submetida. Então, além de manter a calma e escrever, envie e veja o que acontece. Você não ficaria surpreso com o resultado.

Dra Stefania Forner :

Obrigada. Eduardo.

Dr Eduardo Zimmer:

Sim. Eu diria que você precisa de tempo para pensar. Você precisa ler, reler, escrever, reescrever e compartilhar com seus colegas. Então, como [inaudível] diz, a ciência é um esporte de equipe. Compartilhe com seus colegas.

Dra Stefania Forner :

Excelente. João.

Dr. Joe Abisambra :

Vou compartilhar com você que eu amo escrever bolsas. Eu acho muito divertido. E essa afirmação não me tornou muito popular. Mas a ideia aqui é que, é uma oportunidade de escrever algo que é uma ideia. E você está se baseando em uma hipótese, uma hipótese muito bem informada e tudo é possível. Mesmo se você estiver errado, tudo bem. Mas você está aproveitando a oportunidade para apenas… quero dizer, eu sei que é brega, mas é realmente pegar um sonho e colocá-lo lá. E se você estiver certo, então isso seria uma contribuição incrível para o campo.

Dr. Joe Abisambra :

Então, eu acho que todos nós devemos aproveitar o processo de escrever subsídios. Embora às vezes seja difícil ver o processo da partitura. Mas vamos escrever as concessões primeiro e depois vamos nos preocupar com a pontuação.

Dra Stefania Forner :

Exatamente. E se você puder… Para aqueles… Você receberá os revisores como alguém mencionado no início e poderá tornar sua próxima inscrição mais forte ou outro mecanismo. Então, é sempre difícil conseguir talvez não ser financiado, mas é sempre uma experiência de aprendizado, com certeza. E eu quero dizer algo que sempre digo quando estou falando sobre doações. Todos nós queremos ganhar na loteria, mas temos que comprar um bilhete e divulgar os números. Você só é financiado pela Alzheimer’s Association se colocar uma carta de intenção lá.

Dra Stefania Forner :

Então, eu quero… Essa é a minha mensagem para levar para casa. Não desista. Se você não for financiado na primeira rodada, volte, reenvie e não se sinta deprimido. É uma curva de aprendizado para todos nós.

Dra Stefania Forner :

Quero agradecer muito a vocês, DeAnnah , Eduardo e Joe. Isso foi maravilhoso. Espero que os ouvintes também tenham se divertido. E se você estiver interessado em se candidatar a mecanismos de financiamento para bolsas de pesquisa ou bolsas de pesquisa da Alzheimer’s Association, a próxima rodada será aberta em agosto, setembro.

Dra Stefania Forner :

No momento, fechamos a carta de intenção em fevereiro e ela está em análise no momento. Assim, a próxima rodada será agosto e setembro. Então pense nisso. Nos escute. Isso foi ótimo. Tantas ótimas dicas. Você tornará a proposta forte e o trabalho dos revisores mais fácil.

Dra Stefania Forner :

E espero que, se você tiver alguma dúvida, sempre possa entrar em contato com a Alzheimer’s Association. Temos perfis de todos os palestrantes hoje no site, incluindo detalhes de suas contas no Twitter. Então dê uma olhada no site do podcast. Também incluiremos links para todos os sites que discutimos. Assim como o ISTAART que mencionei, e a série de webinars que mencionamos, todos esses painelistas [inaudível] também anteciparam em janeiro, fevereiro e todas as notas do programa.

Dra Stefania Forner :

Além disso, quero lembrar a todos vocês, um lembrete de que sempre que estiverem, em qualquer lugar que estejam ouvindo isso, assine o podcast, espalhe a palavra. Este é um grande recurso para a demência. E há tantos grandes tópicos por aí a serem discutidos e ainda sendo discutidos.

Dra Stefania Forner :

Então, obrigado novamente, Joe, Eduardo e DeAnnah e ouvintes por fazer disso uma prioridade. E espero que todos tenham um dia maravilhoso. Tchau

Orador 1:

Trazido a você por demênciaresearcher.nihr.ac.uk. Em associação com Alzheimer’s Research UK e Alzheimer’s Society. Apoiando pesquisadores de demência em início de carreira em todo o mundo.

END


Like what you hear? Please review, like, and share our podcast – and don’t forget to subscribe to ensure you never miss an episode.

If you would like to share your own experiences or discuss your research in a blog or on a podcast, drop us a line to adam.smith@nihr.ac.uk or find us on twitter @dem_researcher

You can find our podcast on iTunes, SoundCloud and Spotify (and most podcast apps) – our narrated blogs are now also available as a podcast.

This podcast is brought to you in association with Alzheimer’s Association, Alzheimer’s Research UK and Alzheimer’s Society, who we thank for their ongoing support.

Leave a Reply

Translate »