Careers, Guest blog

Guest Blog – Homesickness

Blog by Morgan Daniel

Reading Time: 10 minutes
Guest Blog – Homesickness

This month I’ll be talking about something that affects a lot of people, but is rarely taken seriously – homesickness.

With so many students desperate to leave home for university accommodation, often in a different city, it probably doesn’t occur to many that they will feel homesick, but up to 70% of students leaving home for the first time do (BBC). There is massive pressure on students who leave home to have the best time of their lives at university and enjoy their new found freedom. I remember watching older friends leave for university and have an amazing time, and not once did I hear a mention of homesickness. This is likely because it is something that many are embarrassed of or ashamed to talk about.

I was a home student for two years so spent two years surrounded by my family and commuting to university. For my final two years of my undergraduate degree, I moved into student flats to develop some independence and it was really good for me. Looking back on it, I wasn’t far from home and I would travel home nearly every weekend for work and to see my family. It’s no wonder that I wasn’t really homesick when I had moved to a city that I knew and loved having grown up 40 minutes away and that I could still see my family so often.

All of this changed when I moved to London to study at UCL. Yes, moving in the middle of a pandemic to the biggest city in the UK was never going to be easy, but I was shocked by how much of an impact this feeling of homesickness had on me. Homesickness is a loss and longing for people or places that are familiar to you, and being separated from these things can have a massive impact upon someone’s wellbeing. It can be totally overwhelming and cause anxiety, stress, lack of sleep, sadness and loneliness. The sense of loss that I experienced and the homesickness I felt manifested itself in different ways but mostly, I was just sad and lonely. I was surrounded by lovely people but all I wanted was home and familiarity.

I was mainly homesick for my family, rather than a particular place. Yes I missed Loch Lomond and the familiar streets where I grew up, but I missed cups of tea with my parents and saying goodnight to my dog more. I was homesick for Scotland and its people, and the friendliness of the locals in Glasgow (people in London don’t nod and say good morning to strangers it seems). I was homesick for the Western Isles where I have never lived but my family still do – the ongoing pandemic meant I never got to visit my grandparents in the summer so it is now a year and a half since I last saw them.

All of the things that were so familiar to me and comforting were now out of reach and 400 miles away and it was a complete shock. I knew that people expect anybody who moves to London to live an exciting and glamorous life and I wasn’t doing that, and I don’t think many actually do. London is a great city with lots to offer, but it’s okay to miss home too.

70% of students experience homesickness (BBC)

I learned to appreciate all of my family and friends more than I already did when leaving. I’m not brilliant with technology, but it has been brilliant in combatting this homesickness I’ve experienced. I am able to talk to my grandparents on the phone and video call my family and friends whenever I need them. I still speak to my parents nearly every night and probably bore them with every minor detail of my day, but being able to see their faces and hear their voices helps me to feel more in touch with them from so far away.

There isn’t necessarily a pattern to homesickness. It can hit at any point and it isn’t unusual to experience it after returning to university for the Christmas holidays rather than initially leaving home, or in your 3rd year of university rather than your first few years of your studies. It can affect adults as much as it does teenagers. There doesn’t seem to be a rulebook so to say, but it is important that people know that homesickness is completely normal and is absolutely nothing to be ashamed of. There are a few things that you can do to try to combat some of the homesickness and I thought it might be useful to list some of the things that have helped me.

Finding a routine is really helpful. I like to stay busy, and when I first moved to London I hadn’t started my job or my degree yet. I had a lot of spare time which meant lots of time to sit and think about what I had left behind at home. Now that I have settled in and found a great routine, I keep myself pre-occupied and the sense of having a purpose to each day really helps to remind me of why I am here and to make the most of each day.

I try my best to still enjoy the activities I used to at home. I have found that running has helped as I used to enjoy this at home and it is now a great way to explore my new surroundings and different parts of London which I might not have seen otherwise due to the pandemic. I brought some of the books I had on my must read list to my new accommodation and if I have spare time I like to work my way through them. This keeps me busy and is something that is very familiar to me.

Like everyone, I got rather sick of the lockdown zoom quiz, but video calls with my friends, the occasional quiz and even watching tv shows online with my boyfriend who lives in Scotland has helped me to feel connected to those at home while also giving me something to look forward to in the evenings.

I also made my living space feel as comfortable and homely as possible. I have reminders of home throughout my bedroom and even have a jar of sand from Luskentyre beach on my desk. This gives me a lovely space to live and work in and is a small haven to return to each night. Filling my space with local artwork has also allowed me to support small Glasgow based artists while decorating.

I am very grateful to have amazing friends and family who check up on me and keep in touch, and I have been feeling a lot more settled recently. The homesickness tends to come in waves but they are less frequent and far less overwhelming. I am beginning to accept London as my new home and cherish being in Glasgow whenever I return. The sense of longing doesn’t necessarily disappear, I’ve just learned to cope with it much better than when I first made the big move.

There is no one way to experience or deal with homesickness. It will be unique to each individual and different people will handle it in different ways, but the most important thing to remember is that there is absolutely no shame in missing home and your loved ones. It isn’t something that you have to hide and there is no pressure to be happy at all times following a move. Reach out to others and to professional services if you need them and remember that there will be others out there feeling the same way. I have attached some links to useful sites that will hopefully help if people are feeling homesick and want more information on this feeling and how to cope with it.

Thanks for tuning in,

Morgan.

Clique aqui para ler em português

Saudades de casa

Olá a todos,

Este mês, falarei sobre algo que afeta muitas pessoas, mas raramente é levado a sério – a saudade de casa.

Com tantos alunos desesperados para sair de casa e buscar acomodações em universidade, geralmente em uma cidade diferente, provavelmente muitos não pensam que sentirão saudades de casa, mas até 70% dos alunos que saem de casa pela primeira vez sentem (BBC em inglês). Há uma enorme pressão sobre os alunos que saem de casa para ter o melhor momento de suas vidas na universidade e desfrutar da sua nova liberdade. Eu me lembro de ver amigos mais velhos indo para a universidade e se divertindo, e nenhuma vez ouvi uma única menção de saudade de casa. Provavelmente porque é algo de que muitos têm vergonha de admitir ou ficam envergonhados de falar.

Estudei em casa por dois anos, então passei dois anos cercada pela minha família e indo para a universidade. Nos meus últimos dois anos de graduação, mudei para um apartamento de estudantes para desenvolver alguma independência e foi muito bom para mim. Olhando para trás, eu não estava longe de casa e viajava para casa quase todo fim de semana para trabalhar e ver minha família. Não é de se admirar que eu não estivesse realmente com saudades de casa quando me mudei para uma cidade que conhecia e amava por ter crescido a 40 minutos de distância e que ainda podia ver minha família com tanta frequência.

Tudo isso mudou quando me mudei para Londres para estudar na University College de Londres. Sim, mudar no meio de uma pandemia para a maior cidade do Reino Unido nunca seria fácil, mas fiquei chocada com o impacto que esse sentimento de saudade de casa teve sobre mim. A saudade de casa é uma perda e um anseio por pessoas ou lugares que você conhece, e estar separado dessas coisas pode ter um impacto enorme no bem-estar de alguém. Pode ser um sentimento totalmente opressor e causar ansiedade, estresse, falta de sono, tristeza e solidão. A sensação de perda que experimentei e a saudade de casa se manifestaram de maneiras diferentes, mas principalmente, eu estava apenas triste e solitária. Eu estava cercada por pessoas adoráveis, mas tudo que eu queria era um lar e familiaridade.

Sentia saudades principalmente da minha família, em vez de um lugar específico. Sim, eu sentia falta do Lago Lomond e das ruas por onde cresci, mas sentia falta de tomar chá com meus pais e de dizer boa noite para o meu cachorro. Eu estava com saudades da Escócia e de seu povo, e da simpatia dos habitantes de Glasgow (as pessoas em Londres não acenam com a cabeça e dizem bom dia para estranhos, ao que parece). Eu estava com saudades das Ilhas Ocidentais, onde nunca morei, mas aonde minha família ainda vive – a pandemia contínua fez com que eu não conseguisse ver meus avós no verão passado, então já faz um ano e meio desde que nos vimos pela última vez.

Todas as coisas que eram tão familiares para mim e reconfortantes agora estavam fora de alcance e a 640km de distância e foi um choque completo. Eu sabia que as pessoas esperam que qualquer pessoa que se muda para Londres viva uma vida emocionante e glamorosa e eu não estava fazendo isso, e não acho que muitos realmente façam. Londres é uma ótima cidade com muito a oferecer, mas também não há problema algum em sentir falta de casa.

Aprendi a valorizar a minha família e amigos mais do que já apreciava ao sair de casa. Não sou brilhante com tecnologia, mas ela tem sido brilhante no combate à saudade de casa que experimentei. Consigo falar com meus avós ao telefone e fazer videochamadas com minha família e amigos sempre que preciso. Ainda falo com meus pais quase todas as noites e provavelmente eles ficam entediados com cada pequeno detalhe do meu dia, mas ser capaz de ver seus rostos e ouvir suas vozes me ajuda a me sentir mais perto deles de tão longe.

Não há necessariamente um padrão para a saudade de casa. Pode acontecer a qualquer momento e não é incomum experimentá-lo depois de retornar à universidade das férias de Natal, em vez de quando se sai de casa inicialmente, ou em seu terceiro ano de universidade, em vez de seus primeiros anos de estudos. Ela pode afetar adultos tanto quanto adolescentes. Não parece haver regras, por assim dizer, mas é importante que as pessoas saibam que a saudade de casa é completamente normal e não há absolutamente nada para se envergonhar. Existem algumas coisas que você pode fazer para tentar combater um pouco a saudades de casa e achei que seria útil listar algumas das coisas que me ajudaram.

Encontrar uma rotina é muito útil. Gosto de ficar atarefada e, quando me mudei para Londres, ainda não tinha começado meu trabalho ou estudos. Eu tinha muito tempo livre, o que significava muito tempo para sentar e pensar sobre o que havia deixado para trás em casa. Agora que me acostumei e tenho uma ótima rotina, me mantenho ocupada e a sensação de ter um propósito para cada dia ajuda muito a me lembrar porque estou aqui e a aproveitar cada dia ao máximo.

Eu ainda tento desfrutar das atividades que costumava ter em casa. Descobri que correr me ajudou, pois costumava correr em casa e agora é uma ótima maneira de explorar diferentes partes de Londres que eu não teria visto de outra forma devido à pandemia. Eu trouxe para minha nova acomodação alguns dos livros que tinha em minha lista de leituras obrigatórias e, se tenho tempo livre, gosto de folheá-los. Isso me mantém ocupada e é algo que me é muito familiar.

Como todo mundo, fiquei bastante cansada de participar de quizzes no Zoom, mas as videochamadas com meus amigos, um quiz ocasional e até mesmo assistir a programas de TV online com meu namorado que mora na Escócia me ajudaram a me sentir conectada com as pessoas de casa, ao mesmo tempo que me deram uma expectativa boa pra fazer alguma coisa à noite.

Também tornei meu espaço residencial o mais confortável e aconchegante possível. Tenho lembretes de casa em todo o meu quarto e até tenho um pote de areia da praia de Luskentyre na minha mesa. Isso me dá um espaço adorável para morar e trabalhar e é um pequeno refúgio para voltar a cada noite. Decorar meu espaço com obras de arte locais também me permitiu apoiar pequenos artistas de Glasgow.

Sou muito grata por ter amigos e familiares incríveis que me monitoram e mantêm contato, e tenho me sentido muito mais confortável recentemente. A saudade de casa tende a vir em ondas, mas são menos frequentes e muito menos avassaladoras. Estou começando a aceitar Londres como meu novo lar e aprecio estar em Glasgow sempre que volto. A sensação de saudade não desaparece necessariamente, só acabei aprendendo a lidar com isso muito melhor do que quando sai de casa para morar longe.

Não existe uma maneira única de sentir ou lidar com a saudade de casa. Será única para cada indivíduo e pessoas diferentes irão lidar com isso de maneiras diferentes, mas a coisa mais importante a lembrar é que não há absolutamente nenhuma vergonha em sentir falta de casa e de seus entes queridos. Não é algo que você tenha que esconder e não há pressão para ser feliz o tempo todo após uma mudança. Se precisar, contate outras pessoas e serviços profissionais e lembre-se de que haverá outras pessoas por aí que se sentem da mesma maneira. Eu encontrei alguns links com conteúdos úteis (em inglês) que, com sorte, ajudarão se as pessoas estiverem com saudades de casa e quiserem mais informações sobre esse sentimento e como lidar com ele.

Obrigada por ler,

Morgan


Author

Morgan Daniel

Morgan Daniel is an MSc Student at University College London, studying the along the ‘Dementia: Causes, Treatments and Research (Neuroscience)’ track, Originally from Loch Lomond, Morgan completed her BSc in Psychology and Neuroscience at the University of Glasgow in 2019, and she hates all forms of potato!  Morgan is sharing her MSc journey during 2020 / 2021 with NIHR Dementia Researcher.


NIHR Dementia Researcher is following Morgan Daniel as she studies for her Dementia MSc at University College London. Morgan is blogging, podcasting and occasionally taking over our twitter feed to share news from her studies and life, documenting the hi’s and lows’, with tips for others who are considering post-graduate studies. 

Leave a Reply

Morgan Daniel

Student interested in neurodegenerative disease, particularly dementia, and neuropsychology.

Translate »